quinta-feira, 5 de abril de 2012

Márcio Gomes lançou ontem no Teatro Rival CD com repertório de Francisco Alves


Quem ainda não se rendeu aos encantos do vozeirão de Márcio Gomes agora terá uma  boa oportunidade. O show de lançamento do CD Márcio Gomes canta Francisco Alves, um tributo ao Rei da Voz, o cantor mais importante da primeira metade do século XX.
Com arranjos e o violão do multifacetado Alfredo Del-Penho, e participação da cantora e atriz Soraya Ravenle em dois números, este espetáculo além de emocionar, fará jus a um artista fundamental na história de nossa música. Imaginem que ele gravou cerca de mil músicas e emplacou cerca uma centena de sucessos, dos quais pelo menos a terça parte sobreviveu ao tempo e não para de ser regravada, o que poderá ser melhor avaliado pelo público neste espetáculo.


Camtor Marcio Gomes e a atriz Dayse Lucidi (divulgação)

Além do repertório registrado no CD lançado no final do ano passado, que desfila clássicos românticos (Nervos de aço, Serra da boa esperança, Eu sonhei que tu estavas tão linda, Boa noite, amor, A voz do violão) e deliciosos sambas (Despedida de Mangueira, A Lapa, Canta Brasil), Márcio selecionou várias surpresas para o show. Há sambas-canções, como Caminhemos, um pot-pourri de Lupicínio Rodrigues (incluindo Cadeira vazia e Esses moços [Pobres, moços]), e ainda diversas versões do cancioneiro internacional da época, em ritmo de fox americano, bolero e tango, que Chico Alves ajudou a popularizar no Brasil.
Finalmente, terçando vozes com Soraya Ravenle, Márcio revive famosos duetos que Chico Viola – este era um dos apelidos do cantor –, realizou com Dalva de Oliveira (Dois corações – tema da recente minissérie “Dalva e Herivelto – uma canção de amor”) e Emilinha Borba (Exaltação à Bahia), por coincidência uma cantora também muito amiga de Márcio até o fim da vida. Para o final do show há uma seleção do melhor dos sambas e marchas de carnaval – e até uma marcha junina – que embalaram mais de três décadas de folias. (Rodrigo Faour)