segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Os excluídos do Rock'n'Rio em exposição no Centro Cultural da Justiça Federal no Rio de Janeiro

No período em que será realizado o grande festival, o centro cultural sediará o evento “Rock (independente) no Rio”, com show, debate e exposição
O que chamamos hoje de indie ou alternativo começou no Brasil no início dos anos 1990 com o surgimento da tal cena independente. No ano em que a MTV se instalou no Brasil (1990) e o presidente Collor abriu o mercado para a entrada do instrumento e do equipamento de som importado, uma movimentação tomou conta de jovens por todo o Brasil. A transição da música independente nos últimos 20 anos está registrada no livro Niterói Rock Underground (1990-2010), do jornalista, publicitário e quadrinista Pedro de Luna, que foi lançado em junho deste ano de forma independente.
Rica em imagens e informações preciosas, a obra documenta uma revolução que aconteceu no campo sociológico, político, estético, econômico e tecnológico. Da fita cassete, LP, VHS, fotocópia, fotografia em papel e o fax para o MP3 e o telefone celular, foi um longo caminho. E no meio dele não tinha uma pedra, e sim o fax, a popularização do computador pessoal com impressora, o CD, o DVD e o vídeo laser.
Fruto de um trabalho que começou em 2007, Niterói Rock Underground (1990-2010) é o ponto de partida para o evento Rock (independente) no Rio, que se propõe a jogar luzes em quem está no underground, fazendo um contraponto com o Rock in Rio, que é um evento mainstream, um grande festival comercial, bem longe das produções realizadas semanalmente no Estado do Rio e, claro, no resto do país.
O evento começará nesta terça-feira, 27 de setembro, com show, debate e exposição. Não à toa, quatro dias depois da primeira noite do Rock in Rio. Às 16h30, o público poderá conferir gratuitamente um debate sobre a cena atual e as perspectivas para os próximos anos. Em seguida, às 19 horas, será aberta uma exposição com dezenas de imagens raras: capas de fitas demo em k7, fotografias, cartazes, flyers, fanzines e credenciais de festivais independentes. Haverá venda e sessão de autógrafos do livro com a presença do Pedro de Luna (www.niteroirockunderground.blogspot.com). A exposição será gratuita e será acompanhada de coquetel. Encerrando, às 20 horas, com a banda Canastra que fará um show especial no teatro, dando um toque final neste dia pra lá de rock and roll.


Pedro de Luna (divulgação)

Serviço:
Rock (Independente) no Rio
Data: 27 de setembro
Horário: 16h30 às 21h
Informações: 3261-2550 ou www.ccjf.trf2.gov.br
DEBATE
16h30-18h30Rock (independente) no Rio: cenário atual e perspectivas com a produtora Lu Sales (ColetivaMente), a pesquisadora Paula Martini (FGV/Estrombo) e o músico Pedro Torres (Áudio Rebel), com mediação do jornalista e gestor cultural Pedro de Luna (Arariboia Rock).
Local: Teatro do CCJF (146 lugares)
Entrada franca
Censura livre
LU SALES
Produtora executiva, idealizadora e produtora do evento Pró Rock Autoral, dedicado à valorização dos artistas independentes junto ao público. Este projeto conta com 7 edições realizadas entre 2009 e 2011. Atualmente é produtora executiva da banda Lado 2 e Coordenadora do Núcleo de Negócios do ColetivaMente, uma iniciativa independente de produção cultural que surgiu a partir da vontade de pessoas interessadas em praticar ações que agregassem princípios de colaboração, autogestão, autonomia e interdependência na produção cultural musical no Rio de Janeiro.
PAULA MARTINI
Pesquisadora do Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) da FGV-RJ, onde coordena o projeto Estrombo - Novos Modelos de Negócio e Canais de Distribuição para a Indústria da Música (FGV, SEBRAE, BID e Facebook) e colabora com os projetos Creative Commons e Cultura Livre. Sócia-diretora da Martinica Digital, empresa de comunicação digital que desenvolve estratégias nas áreas de cultura e responsabilidade social, focada em novos modelos de negócio e mobilização.
PEDRO TORRES
Pedro tem 29 anos e é formado em Comunicação Social pela PUC-RJ. Foi guitarrista da banda Riveraid e é um dos sócios diretores do Áudio Rebel, um misto de estúdio, loja, hostel e casa de shows, no bairro de Botafogo. Criada há seis anos, a casa já sediou mais de 500 shows, de bandas de quase 20 países diferentes e de mais de 15 estados brasileiros, se tornando o principal pólo de música independente da zona sul.
MEDIADOR
PEDRO DE LUNA
Publicitário, jornalista, gestor cultural e quadrinista. Formado em Comunicação Social pela UFF com MBA em Gestão Cultural (UCAM). É o criador e coordenador geral do coletivo Arariboia Rock, que representa mais de 200 bandas autorais em Niterói, São Gonçalo e arredores. Trabalhou para diversos veículos de imprensa como Jornal do Brasil, MTV, Jornal do Rock e International Magazine, além de ter produzido centenas de shows de bandas independentes desde 1996.
19hRock (independente) no Rio: 20 anos de resistência cultural com coquetel e venda do livro Niterói Rock Underground (1990-2010) com autógrafos, no térreo.
Local: Galeria do Térreo do CCJF
Período: 27 de setembro a 13 de novembro
Aberto de terça a domingo, das 12h às 19h
Entrada franca
Censura: 12 anos
Curadoria: Pedro de Luna
SHOW

Banda Canastra (divulgação)

Data: 27 de setembro (terça-feira)
Horário: 20h ás 21h (Show com a banda Canastra)
Local: Teatro do CCJF (146 lugares)
Entrada: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Censura: livre
Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro - Rio de Janeiro
Informações: 3261-2550 ou www.ccjf.trf2.gov.br