terça-feira, 20 de setembro de 2011

Livraria Icaraí da UFF fará bate-papo com “sobreviventes” de Ultima Hora nesta quarta-feira

O livro “A Ultima Hora (como ela era)”, do jornalista Pinheiro Junior, será lançado na Livraria Icaraí da Editora da UFF*, em Niterói, nesta quarta-feira, 21 de setembro, a partir das 18 horas. A noite de autógrafo ocorrerá durante bate-papo com o autor e outros “sobreviventes” do jornal de Samuel Wainer. Será aberta com a projeção de imagens e primeiras páginas do diário que completa 60 anos de fundação. O documentário é uma realização do jornalista Alcyr Cavalcanti, participante do bate-papo junto com Sérgio Caldieri e Mario Augusto Jakobiskind, especialistas em mídia impressa. 
Perseguida desde a fundação e envolvida em episódios que culminaram com o suicídio do presidente Getúlio Vargas, em 1955, Ultima Hora (UH) foi metralhada, saqueada e incendiada em1964, durante o golpe militar, acabando por ser vendida a próceres da ditadura em 1972.  É essa a epopéia revivida em 51 capítulos compactos e de agradável leitura que compõem “A Ultima Hora (como ela era)”. O autor Pinheiro Junior militou em UH por 17 anos, com funções de repórter a diretor responsável. Ele explica que seu livro tem ritmo de romance-reportagem, mas preserva com realismo o clima da época em que o jornal circulou com edições produzidas no Rio, Niterói, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Belo Horizonte e Recife. Assim, foi na época a maior rede jornalística do País, revolucionando a imprensa com programações visuais ágeis, coloridas, destaque fotográfico e manchetes consideradas “as mais criativas de todos os tempos”.
A redação de UH é descrita por Pinheiro Júnior como um “palco iluminado”, onde pontificaram celebridades, como o próprio fundador Samuel Wainer e o teatrólogo Nelson Rodrigues, mais famoso colunista do jornal – com seu folhetim “A vida como ela é” -, além de colaboradores do quilate de Jorge Amado, Di Cavalcanti e Vinicius de Morais. Enquanto isso, Stanislaw Ponte Preta, Adalgisa Nery, Antônio Maria, Moacir Werneck de Castro e dezenas de outros escritores mantinham colunas diárias em UH. Poucos intelectuais que marcaram as décadas de 1950 e 1960 deixaram de emprestar seus talentos a este que foi “o diário mais charmoso e alegre da imprensa brasileira” no dizer de Pinheiro Junior. Para provar isso, ele reproduz cenas curiosas e hilariantes que fizeram a fama de jornalistas como o niteroiense Augusto Donadel Jorge e o repórter policial Amado Ribeiro. Este, um controvertido personagem da peça “O Beijo no Asfalto”, de Nelson Rodrigues, cuja repercussão motivou seu rompimento com Samuel Wainer em dramático episódio narrado no livro.
Editado pela Mauad e prefaciado pelo presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Maurício Azêdo - também um “sobrevivente” de UH -, o livro relaciona na abertura os personagens que transitam por suas páginas, numa antevisão dos dramas, farsas, comédias e tragédias retratados pelo autor. 
(*) A Livraria Icaraí da Editora da UFF fica na Rua Miguel de Frias 9, Icaraí, anexo à Reitoria da Universidade Federal Fluminense.




Serviço:
Livraria Icaraí da UFF fará bate-papo com “sobreviventes” de Ultima Hora
Data: 21 de setembro (quarta-feira)
Horário: 18 horas
Livraria Icaraí - Editora UFF
Rua Miguel de Frias 9, Icaraí - Niterói (Anexo à Reitoria da UFF)
Entrada Franca